Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 11/07/2017 08:45

Dólar fecha em queda e vai a R$ 3,25, com cenário político e atuação do BC

Na sexta-feira, moeda caiu 0,58%, a R$ 3,2795 na venda. No mês, o dólar tem queda de 1,61%. No ano, a moeda avança 0,30%.

O dólar fechou em queda ante ao real nesta segunda-feira (10), após a moeda norte-americana tocar a mínima de R$ 3,2582 em um mês, com o Banco Central retomando suas atuações no mercado de câmbio, sem tirar do foco o cenário político, embora os investidores continuem apostando na continuidade da atual política econômica com foco nas reformas, de acordo com a Reuters.

A moeda norte-americana terminou a sessão cotada a R$ 3,2595 na venda, alta de 0,60%. No mês, o dólar tem queda de 1,61%. No ano, a moeda avança 0,30%.

"Ao não retirar liquidez do mercado, o BC auxilia na manutenção das taxas pouco abaixo de 3,30 reais", afirmou a corretora Fair em relatório.

O BC anunciou para esta sessão o início da rolagem do vencimento de agosto de swap cambial tradicional --equivalente à venda futura de dólares. Neste primeiro leilão, vendeu a oferta integral de até 8,3 mil contratos, rolando US$ 415 milhões do total de US$ 6,181 bilhões.

Se mantiver esse volume até o final do mês, o BC deverá rolar o vencimento integralmente, a exemplo do que fez nos três últimos meses, de acordo com a Reuters.

Cenário Político

O foco desta sessão foi na leitura do parecer do relator na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, Sergio Zveiter (PMDB-RJ), sobre a denúncia contra o presidente Michel Temer.

A leitura do parecer ocorre uma semana depois da pressão sobre o governo Temer aumentar, enquanto o nome de Rodrigo Maia (PMDB-RJ) - presidente da Câmara - se faz mais presentes em rodas de conversas tanto em Brasília quanto no mercado financeiro em São Paulo, segundo a Reuters.

“O mercado vai operar na defensiva até uma resolução na CCJ. Mas se o câmbio continuar ajudando o caminho dos DIs [contratos de juros no mercado futuro] é para baixo”, disse à Reuters Luis Lauídiso, operador de renda fixa da Renascença.

No Brasil, a queda das expectativas para IPCA e PIB adicionam viés de baixa aos juros. O movimento é importante porque a inflação e economia mais fracas são relevantes na política monetária do BC. Novas quedas nessas taxas indicam espaço para o BC cortar mais a Selic.

Última sessão

Na sexta-feira, a moeda norte-americana caiu 0,58%, a R$ 3,2795 na venda.