Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 27/09/2017 08:50

Dólar fecha em alta após declarações de presidente do Fed sobre juros nos EUA

A moeda norte-americana subiu 0,29, vendida a R$ 3,1666.

O dólar fechou em alta nesta terça-feira (26) após a presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, ter reforçado a possibilidade de mais de uma alta nos juros do país neste ano, mas o avanço perdeu força em meio a um fluxo vendedor, segundo a Reuters.

A moeda norte-americana subiu 0,29% vendida a R$ 3,1666. No mês, há alta acumulada de 0,61% sobre o real, mas, no ano, a baixa é de 2,56%.

"O mercado estava duvidando um pouco do Fed, já que ele tem um histórico de discursos mais 'hawkish' [termo para descrever uma postura econômica mais agressiva] não cumpridos, mas a questão é até quando ele vai duvidar", afirmou à agência o analista econômico da gestora Rio Gestão, Bernard Gonin.

Em sua fala, Yellen disse que o banco central norte-americano precisa continuar com altas graduais dos juros apesar das amplas incertezas sobre a trajetória de inflação, mas reconheceu as dificuldades do Fed em prever uma de suas principais metas de política monetária.

Após as declarações, os juros futuros passaram a precificar 78%de chances de uma nova alta de juros neste ano, no encontro de política monetária de dezembro, mostrava a ferramenta FedWatch, do CME Group. O Fed já elevou os juros duas vezes este ano, para o intervalo de 1 a 1,25% ao ano.

No exterior, o dólar, que já trabalhava em alta, atingiu a máxima da sessão após a fala de Yellen ante uma cesta de moedas. Também subia ante moedas emergentes como os pesos chileno e Mexicano.

O avanço também era sustentado pelas tensões entre EUA e Coreia do Norte e após o dado da confiança do consumidor, ainda segundo a Reuters. Os EUA afirmaram que seguem com os esforços diplomáticos para lidar com a crise com os norte-coreanos, enquanto estes, aparentemente, reforçaram as defesas em sua costa leste.

Cenário interno

Internamente, a moeda perdeu força depois de atingir a máxima da sessão, em meio a um fluxo vendedor. "A tendência de baixa ainda não foi revertida. Em geral, ao redor de R$ 3,15 atrai vendedores", explicou à Reuters o operador da corretora H.Commcor Cleber Alessie Machado.

O mercado também monitora o cenário político. A denúncia contra o presidente Michel Temer, que traz um pouco de cautela aos mercados nacionais diante dos potenciais impactos na agenda de reformas do governo, principalmente a da Previdência, está sendo lida na Câmara dos Deputados.

"Como...continuam as articulações em busca por apoio ao presidente, as chances de andamento da reforma da Previdência diminuem, o que pode influenciar negativamente o humor dos mercados dependendo do andar das negociações", apontou a Advanced Corretora em relatório.

Intervenção do BC

O BC vendeu integralmente a oferta de até 12 mil contratos de swap cambial tradicional - equivalentes à venda futura de dólares - no leilão para rolagem do vencimento de outubro. Desta forma, até agora já foram rolados US$ 4,8 bilhões do total de US$ 9,975 bilhões que vence no mês que vem.

Na segunda-feira (25), a moeda norte-americana terminou a sessão em valorização de 0,95%, vendida a R$ 3,1574.

Fonte: https://g1.globo.com/economia/mercados/noticia/dolar-260917.ghtml