Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 10/11/2017 08:41

Consórcio: parcelas baixas e chances altas para realizar projetos

Um planejamento nanceiro organizado depende de mudança de postura do consumidor na hora de colocar o projeto no papel, e principalmente na hora de executá- lo.

Um planejamento nanceiro organizado depende de mudança de postura do consumidor na hora de colocar o projeto no papel, e principalmente na hora de executá- lo. O consórcio tem sido um grande protagonista na hora de se planejar nanceiramente, anal de contas é uma ótima maneira de poupar dinheiro e de conseguir o crédito para a aquisição do seu imóvel, veículo, viagem, cirurgia plástica, etc.

Segundo informações da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio (ABAC), apesar do planejamento nanceiro ser muito discutido nas famílias, em pesquisa do SPC Brasil, apenas metade (51%) relatou fazer um controle sistemático de seu orçamento. Em contrapartida, entre os consorciados, de acordo com a pesquisa realizada pela ABAC, em julho de 2017, por intermédio da Quorum Brasil,  oito em cada dez consorciados (82%) planejaram a adesão ao consórcio. Em relação aos 67% registrados em 2016, a alta chega a 15 pontos percentuais. Ainda de acordo com a ABAC, para 38,3%, o atrativo principal foi o valor da parcela – o que signica que o consórcio é a melhor opção para quem, de fato, coloca o planejamento nanceiro em prática.

A base da educação nanceira é saber o que se ganha e o que se gasta, por isso o consórcio é perfeito dentro deste parâmetro. Assumir parcelas que cabem no bolso e poder concorrer nos sorteios das assembleias mensais, e até mesmo utilizar o 13º para mandar um lance.

A pesquisa aponta que mais da metade dos consorciados relataram que zeram um bom negócio, e armam que os atrativos do consórcio são:

- A garantia da entrega do bem;

- Facilidade de retirar o bem;

- Boa imagem da marca;

Fonte: http://abac.org.br/sistema/noticiasTextuais/1_(201711084401)associacao.pdf