Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 30/11/2017 08:37

Consórcio é bom?

O brasileiro não tem o hábito de poupar para conseguir um produto ou serviço

O brasileiro não tem o hábito de poupar para conseguir um produto ou serviço. Ele tem o hábito de financiar.

O preço desse vício cultural tem nome: juros. Paga duas, três vezes o valor para ter a mesma coisa. O brasileiro não entende muito disso. Para ele 2%, 3% ao mês não representa nada.

Mal sabe ele que 3% ao mês em 5 anos representa absurdos 490%. Aliás, quem sabe bem disso são as financeiras que, ano a ano, batem recordes de lucros.

Pois uma forma boa de poupar é fazer um consórcio. Diferentemente da caderneta de poupança, cujo dinheiro pode ser sacado a qualquer hora, por trás de um consórcio sempre há um objetivo definido e um prazo máximo de poupança, e isso nos disciplina a guardar mensalmente um pouquinho de nossa renda.

A união do dinheiro dos consorciados, a poupança em grupo, permite que cada um tenha dinheiro para pagar, à vista, menos por algo que muito desejou.

Outra vantagem do consórcio é a taxa de administração baixa, cobrada só para o seu funcionamento e não com o objetivo de lucro.

Por fim, não há imposto, assim como na caderneta de poupança e na previdência privada na fase de acumulação.

No consórcio, a disponibilidade do dinheiro não é imediata, a não ser que você tenha a sorte de ser contemplado logo no primeiro mês. Mas a economia pode valer a espera!

Seja para comprar um carro, um imóvel, planejar a aposentadoria ou a faculdade em um plano de previdência privada, todos são bons se a instituição administradora for sólida e confiável.

Para quem estranhou a previdência privada no rol de consórcios, não se espante.

Previdência privada em fundo de pensão se assemelha a um consórcio, pois não tem finalidade lucrativa. Os investidores ou poupadores custeiam a administração, mas a rentabilidade do investimento dos recursos vai integralmente para a conta de cada consorciado.

Olha, só há duas formas de um assalariado ficar bem de vida: poupar ou ganhar na loteria. A última não depende de nós e é rara.

Fonte: http://abac.org.br/sistema/noticiasTextuais/1_(201710185847)parana_online.pdf