Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 29/12/2017 08:46

Consórcios sobem 27,8% e movimentam R$ 83 bilhões

O sistema de consórcios manteve o ritmo de vendas registrado durante o ano ao atingir 1,97 milhão de novas cotas comercializadas

O sistema de consórcios manteve o ritmo de vendas registrado durante o ano ao atingir 1,97 milhão de novas cotas comercializadas, de janeiro a outubro, apontando um crescimento de 8,2% sobre o acumulado no mesmo período em 2016 (1,82 milhão). Os negócios decorrentes desse volume apresentaram total de R$ 83,28 bilhões em créditos comercializados, no período, sendo 27,8% superior aos R$ 65,15 bilhões de igual período de 2016. Também o tíquete médio mensal avançou: foram 17,3% de alta na relação R$ 37,6 mil para R$ 44,1 mil, entre os meses de outubro de 2016 e 2017, segundo números divulgados, ontem, pela Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac).

Os resultados de outubro apresentaram expressivos resultados: 105 mil novas cotas vendidas de veículos leves, 75 mil de motos, 30 mil de imóveis, 5,2 de veículos pesados, 3 mil de serviços e 2 mil de eletroeletrônicos e outros bens móveis duráveis. “A continuidade registrada nos negócios, tanto nas vendas como nos créditos comercializados, confirma que o consumidor está cada vez mais consciente sobre a essência da educação financeira, especialmente quando opta por aderir a um grupo de consórcio, um compromisso de longo prazo”, diz Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da Abac.

Comportamento

O total de R$ 9,71 bilhões em créditos comercializados, em outubro último, foi 17,3% superior aos R$ 8,28 bilhões do mesmo mês do ano anterior. Entre o volume alcançado em janeiro e o de outubro, o avanço foi de 50,1% sobre os R$ 6,47 bilhões iniciais. Em igual período de 2016, o cenário também foi de alta, com evolução de 46% – se comparados os R$ 8,28 bilhões de outubro aos R$ 5,67 bilhões totalizados em janeiro.

Em outubro, as adesões assinalaram boas performances. As 220,2 mil novas vendas, segundo maior volume mensal do ano, proporcionaram um aumento na média dos dez primeiros meses para 197 mil, 7,9% mais que a de 182,5 mil obtida no mesmo período do ano passado, confirmando a crescente procura pela modalidade.

Balanço

No décimo mês de 2017, as somatórias das vendas de novas cotas apresentaram alta em cinco dos seis setores, quando comparadas com as do ano anterior. O maior percentual de crescimento aconteceu no setor de serviços, com alta de 88%. Na sequência vieram: eletroeletrônicos e outros bens móveis duráveis com 46,3%; imóveis com 32,4%; veículos pesados com 13,3%; e veículos leves com 10,5%. No setor de motocicletas e motonetas houve retração e ficou em -3,3%. Segundo a Abac, o tíquete médio mensal, indicador que registra os valores contratados pelos consorciados quando da adesão, também anotou alta de 19,8% ao saltar de R$ 36,8 mil em janeiro deste ano para R$ 44,1 mil em outubro último. No ano passado, a evolução foi de R$ 33,6 mil (janeiro) para R$ 37,6 mil (outubro), com aumento de 11,9%.

Otimismo

“Depois da forte crise vivenciada entre 2014 e 2016, os setores industrial e comercial vêm conseguindo manter bons resultados este ano. Isso apenas reforça uma melhoria no desempenho que ainda deixa a desejar”, destacou a Abac, em nota. “Os primeiros informes estão na retomada dos empregos, que havia se comportado como uma verdadeira cascata de perdas de postos de trabalho no setor, mas que agora tornou-se uma das alavancas do aumento do número de ocupados”, aponta a entidade.

“Ao observarmos a inflação se reduzindo e sob controle, comércio e indústria se recuperando, a perspectiva de crescimento da economia continua otimista”, ressalta Paulo Rossi. Ele acrescenta que, “com o consumidor sinalizando comportamento positivo para as compras de final de ano e planejamento para fazer novos investimentos em razão da volta dos empregos formais e informais, tudo implica em renda preservada”.

“A utilização de eventuais saldos no orçamento mensal permitirá, por exemplo, realizar desejos como aquisição de um novo carro (29%) ou de um imóvel (comprar um imóvel [28%] e comprar uma casa [31%] que somados representam 59%), possivelmente via consórcio”, destaca o presidente da Abac. “Isso considerando não ocorrer nenhum fato novo significativo de ordem político-econômica nos próximos meses”, ponderou o dirigente.

Veículos lideram em volume de adesões

O setor de veículos leves e pesados lidera o total de adesões, ao crescer 4,3% (3 milhões), enquanto que a comercialização acumulada de créditos ao final dos dez primeiros meses de 2017, subisse 15,9% sobre igual período do ano passado, segundo a Abac. As vendas acumuladas de novas cotas no setor de veículos leves – que inclui automóveis, utilitários e camionetas –, de janeiro a outubro, avançaram 10,5% (87,8 mil novas cotas).

A potencial participação das contemplações nas vendas do mercado interno foi de 28,7%, correspondendo a quase três a cada dez veículos comercializados no País por meio dos consórcios. Já as adesões no consórcio de veículos pesados, que inclui caminhões, tratores, implementos agrícolas e rodoviários, cresceram mais de 13%.

As vendas de novas cotas de imóveis (30 mil unidades) foi o segundo melhor volume do ano, fechando os 10 meses com o saldo de 56,7 mil adesões. O setor apresentou cenário positivo para todos os indicadores, com exceção o de contemplações que ficou estável, com os acumulados de créditos comercializados em alta de 53,2% – reflexo do crescimento do valor do tíquete médio e do aumento das adesões, segundo a Abac.

Enquanto isso, as cotas de motocicletas e motonetas anotaram retração entre janeiro e outubro (-3,3%, ou 715,1 mil), com 24,2 mil a menos sobre 2016 (739,3 mil). Mesmo com as oscilações nos totais mensais de adesões registrados durante 2017, o setor de motocicletas e motonetas atingiu o segundo maior volume de vendas, em outubro, com 75 mil novas cotas. A soma acumulada de créditos comercializados apresentou aumento de 4,7% com o tíquete médio ficando estável.

Fonte: http://abac.org.br/sistema/noticiasTextuais/1_(201712213717)o_estado.pdf