Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 11/05/2018 03:01

Primeiro trimestre tem alta na venda de consórcios

Alta na venda de consórcios estimula mais pessoas a adquirirem o serviço

O fechamento do primeiro trimestre de 2018 apontou crescimento na venda de consórcios. A modalidade avançou 8,4% no total de vendas de novas cotas em comparação ao mesmo período de 2017. O acumulado chegou a 577 mil adesões (jan-mar/2018) versus 532,5 mil (jan-mar/2017). Só em março foram comercializadas 204 mil unidades, o recorde do ano.

Primeiro trimestre tem alta na venda de consórcios

A venda de consórcios contratados teve alta de 8,3% na somatória dos meses de janeiro a março. Quando comparados ao mesmo trimestre do ano anterior: alcançou R$ 22,14 bilhões (jan-mar/2018) contra R$ 20,45 bilhões (jan-mar/2017).

Com 61 dias úteis no trimestre, a média diária das adesões foi de 9,5 mil, sendo 11,8% maior que à anterior, de 8,5 mil. Entre março do ano passado e o atual, também houve expansão. Consequentemente em 2017 a média diária era 7,7 mil, enquanto este ano apontou quase 9,7 mil. Em março, o número de consorciados ativos voltou a mostrar estabilidade entre os 6,95 milhões de participantes deste ano em relação aos 6,97 milhões no mesmo período de 2017. O destaque foi o crescimento lento e gradual nos últimos seis meses. Enquanto em outubro eram 6,86 milhões, atualmente são 1,3% mais (6,95 milhões).

A somatória das contemplações mostrou estabilidade ao ficar em 301,7 mil (jan-mar/2018), próxima às 302,7 mil passadas. Os valores correspondentes aos créditos concedidos, potencialmente injetados na economia em razão das contemplações acumuladas no trimestre, assinalaram crescimento de 6,5%. Enquanto no ano passado somavam R$ 9,62 bilhões, este ano ultrapassaram R$10,25 bilhões. Isso confirma a contribuição do mecanismo para o desenvolvimento dos segmentos da indústria, comércio e prestação de serviços.

Isso gerou crescimento em todos os setores: serviços (78,9%), eletroeletrônicos e outros bens móveis duráveis (72,7%), veículos pesados (21,1%), imóveis (8%) e veículos leves (4,6%).

Fonte: https://www.jornaldoconsorcio.com.br/alta-na-venda-de-consorcios