Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 03/07/2014 11:27

Venda de carros novos cai 7,33% no semestre

Em junho, queda passou dos 17%; concessionárias creem em um segundo semestre melhor

 Marcos Zanutto

Em junho foram vendidas 250.665 unidades de automóveis e comerciais leves no País
De janeiro a junho, as vendas de automóveis e comerciais leves no País somaram 1.582.634 unidades, 7,33% menos que o registrado no primeiro semestre de 2013. Apenas em junho, foram vendidas 250.665 unidades, o que representa uma queda expressiva de 17,24% sobre as emplacadas em igual mês do ano passado e um recuo de 9,81% sobre maio. Os dados foram divulgados ontem pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). 

O resultado levou a entidade a revisar suas projeções para o fechamento do ano, com previsão de piora no cenário do setor automotivo para todos os segmentos. Quanto às vendas de autos e comerciais leves, a queda deve ser de 7,75% em comparação com 2013, com comercialização de 3.298.633 unidades. A previsão anterior era de queda de 3,5% e venda de 3.450.800 unidades. Para caminhões e ônibus, a queda prevista é de 14,07%, com 164.397 unidades vendidas. Até o mês passado, a projeção era de alta de 1,63% nos emplacamentos do segmento, com um total de 194.436 unidades. 

Eduardo Meneghetti, diretor comercial da Fiat Marajó em Londrina, revelou à FOLHA que os números do Paraná e de Londrina no mês de junho seguiram a lógica nacional, com queda de 14,4% e 11,04%, respectivamente. De acordo com ele, a concessionária acompanha a queda acumulada do País no semestre, apesar de ter alcançado alta de 9% em junho, frente a maio, na contramão do mercado. Ele credita o resultado do mês passado às taxas promocionais praticadas pelo banco da montadora. 

"Fizemos bastante coisa nova", diz. Segundo o diretor, Palio, Siena e Strada são os veículos líderes de venda na loja. Para o final do ano, Meneghetti acredita em uma queda próxima à estimada pela Fenabrave. Para ele, a prorrogação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) vai evitar uma queda maior. "Estamos esperando um bom mês de julho". 

Elder Massi, diretor da Volkswagen Norpave, estima uma queda de vendas entre 3,5% e 4% na concessionária neste semestre, índice inferior ao recuo nacional. Porém, ele acredita que o mercado local tenha sido penalizado em junho com o feriado municipal do dia 27, que caiu em plena sexta-feira. "Tivemos praticamente dois dias úteis a menos", ressalta. Para o segundo semestre, tradicionalmente melhor para o setor, Massi se mostra animado. "Estamos pensando positivamente". 

Luiz Henrique Baraviera, gerente comercial da Fórmula Renault, confirma o impacto negativo da diminuição de dias úteis em junho. Segundo ele, os bônus de fábrica e as taxas especiais praticadas pela montadora para um modelo específico, que ganhará nova versão, tem ajudado a segurar as vendas. "Estamos esperançosos para o segundo semestre em relação ao novo Sandero e outros modelos previstos para este ano", diz. 

Caminhões
As vendas de caminhões e ônibus atingiram 12.938 unidades em junho, queda de 16,30% em relação a maio e de 17,68% sobre junho de 2013. No acumulado de 2014 até junho, as vendas de caminhões e ônibus atingiram 80.269 unidades, queda de 11,96% sobre igual período de 2013. Somados autos e comerciais leves, caminhões e ônibus, motocicletas, implementos rodoviários, máquinas agrícolas e outros veículos emplacados, o total de veículos comercializados em junho de 2014 chegou a 385.279 unidades, baixa de 12,45% sobre as 440.074 unidades de maio e queda de 16,97% sobre os 464.044 veículos de junho de 2013. 

 
http://www.folhaweb.com.br/?id_folha=2-1--323-20140703&tit=venda+de+carros+novos+cai+733+no+semestre