Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 01/09/2014 09:49

Após IBGE divulgar recessão da economia, projeções para o PIB caem a 0,52%

Depois de o Brasil ter acumulado dois trimestres seguidos de queda na economia, as projeções para o crescimento do país pioraram ainda mais, de acordo com instituições financeiras.

Depois de o Brasil ter acumulado dois trimestres seguidos de queda na economia, as projeções para o crescimento do país pioraram ainda mais, de acordo com instituições financeiras consultadas pelo Banco Central.

Pela 14ª semana seguida, o mercado cortou a previsão de alta do PIB (Produto Interno Bruto); a mediana das estimativas chegou a 0,52%, o menor nível do ano até agora.

Na última sexta-feira, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) informou que o Brasil acumulou dois trimestres seguidos de crescimento negativo, o que caracteriza uma recessão técnica.

A economia encolheu 0,6% no segundo trimestre; além disso, o dado do primeiro trimestre foi revisado de uma alta de 0,2% para queda de 0,2%.

No acumulado do 1º semestre, houve crescimento de 0,5% em relação a igual período de 2013.

Previsão de inflação e juros fica estável

Além da projeção do PIB, o BC também coleta as expectativas do mercado em relação a outros indicadores econômicos importantes.

A projeção para a inflação ficou igual à da semana passada, em 6,27%. Segundo o IBGE, a prévia da inflação em agosto desacelerou novamente, para 0,14%, voltando ao teto da meta do governo.

A meta do governo é manter a alta dos preços em 4,5%, com tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo.

A previsão para a Selic também é ficou estável: os economistas esperam que a taxa básica de juros seja mantida nos atuais 11% até o fim do ano.

A cotação do dólar deve fechar 2014 em R$ 2,35, mesma aposta da semana passada.

Entenda o que é o boletim Focus

Toda segunda-feira, o Banco Central (BC) divulga um relatório de mercado conhecido como Boletim Focus, trazendo as apostas de economistas para os principais indicadores econômicos do país.

Mais de 100 instituições são ouvidas e, excluindo os valores extremos, o BC calcula uma mediana das perspectivas do crescimento da economia (medido pelo Produto Interno Bruto, o PIB), perspectivas para a inflação e a taxa de câmbio, entre outros.

Mediana apresenta o valor central de uma amostra de dados (desprezando os menores e os maiores valores).

http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2014/09/01/projecao-do-pib-cai-pela-14-vez-e-vai-a-052-segundo-bc.htm