Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 06/10/2014 04:30

Maioria se arrepende de compra por impulso

Gastos desnecessários podem frustrar sonhos a longo prazo ou comprometer o orçamento em um momento de emergência

 

 
Fotos: Ricardo Chicarelli
Seis em cada dez consumidores já se arrependeram de alguma compra que fizeram, diz pesquisa
 
 
Para a analista financeira Carla Patrícia de Souza, a única maneira de não ceder ao impulso de comprar é "ficar em casa"
Pesquisa realizada pelo portal Meu Bolso Feliz, do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), chegou à conclusão que seis em cada dez consumidores já se arrependeram de alguma compra que fizeram. Os gastos desnecessários, sem planejamento, entretanto, podem frustrar sonhos a longo prazo ou comprometer o orçamento em um momento de emergência, alerta a entidade. 

De acordo com o economista do Meu Bolso Feliz, José Vignoli, a compra por impulso geralmente tem relação com o imediatismo que toma conta das pessoas. "Depois, no momento em que elas percebem que já tinham aquilo e não precisavam ter comprado, se arrependem. Não é nem pelo que estão comprando, e sim pelo ato de comprar, que naquele momento dá satisfação." 

Roupas e sapatos são o fraco da analista financeira Carla Patrícia de Souza. "Já fiz muitas compras por impulso, independentemente se estou com dinheiro ou não. Se não estou, compro no cartão." A única maneira de evitar a compra por impulso, segundo ela, é tentar não sair de casa. "Não dá para vir ao centro ou ao shopping sem comprar alguma coisa." A amiga, a assistente administrativa Amanda Caroline de Souza, se diz mais controlada. "Mas às vezes escapa." 

O vendedor Alyson Sidney Antunes, de 19 anos, também admite que já fez "bastante" compras sem planejamento, e se arrependeu depois. "Principalmente roupa de skate. Eu comprei e não precisava. Pelo espelho da loja estava bom, mas quando cheguei em casa vi que não ficou tão bom assim." Ele conta ainda que a namorada, Amanda Oliveira, de 18 anos, é mais firme com o seu dinheiro e o ajuda a controlar os impulsos. "Gosto de economizar", ela justifica. 

A compra por impulso pode estar relacionada a diversos fatores, diz a psicóloga e professora da Faculdade Pitágoras, Simone Oliani. "Os motivos podem ser os mais variados, inclusive combinados, como prazer imediato, consequência em longo prazo, facilidade de pagamento em várias parcelas, uso do cartão de crédito que dá a impressão de crédito ilimitado, compras sem avaliação do custo e benefício e as vantagens e desvantagens daquela tomada de decisão." 

Este tipo de comportamento, entretanto, pode trazer consequências emocionais, além do endividamento. "A maioria das pessoas apresenta ansiedade, baixa autoestima e baixa autoconfiança e segurança nas tomadas de decisão, pois relatam que sentem vergonha e culpa em função do endividamento e da crítica social", aponta a psicóloga. 

Dicas
Ao mesmo tempo que seis em cada dez admitem se arrepender de compras não programadas, a mesma proporção afirma que apenas cedem a estes impulsos quando o orçamento permite. Isso mostra, na opinião de José Vignoli, do Meu Bolso Feliz, que a tendência é que o índice de pessoas que compram e se arrependem diminua com o tempo. "É muito complicado termos a pretensão de controlar os impulsos das pessoas. O que procuramos fazer é com que pensem melhor sobre o assunto. Ninguém quer que elas deixem de ter prazer, mas existem outras formas de ter felicidade." Atrações culturais gratuitas, por exemplo, podem ser uma outra maneira de obter prazer e que não vão comprometer a saúde financeira, sugere o economista. 

Simone dá outras dicas para evitar a compra por impulso: fazer uma planejamento em longo prazo, sair sem dinheiro ou cartão, avaliar, antes da compra, se realmente precisa daquilo naquele momento e adiar a decisão da compra para pensar melhor no dia seguinte são algumas delas. 

http://www.folhaweb.com.br/?id_folha=2-1--527-20141005&tit=maioria+se+arrepende+de+compra+por+impulso