Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 08/10/2014 11:06

FMI vê Brasil crescendo menos em 2014 e 2015, com mais inflação

Em meio a esse cenário, o FMI piorou suas estimativas para a taxa de desemprego no Brasil para o ano que vem, passando a 6,1 por cento

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu com força nesta terça-feira (7) sua projeção de crescimento econômico do Brasil em 2014 e em 2015, ao mesmo tempo em que elevou as perspectivas de inflação em meio à menor confiança dos agentes econômicos.

Em seu relatório "Perspectiva Econômica Global", o FMI estimou que o Produto Interno Bruto (PIB) do país vai expandir neste ano apenas 0,3 por cento, ante 1,3% projetado em meados do ano. Para 2015, a queda nas contas foi de 0,6 ponto percentual, a 1,4%. "A fraca competitividade, baixa confiança empresarial e condições financeiras mais apertadas... restringiram o investimento, e a moderação contínua no emprego e no crescimento do crédito têm pesado sobre o consumo", destacou o FMI em nota.

A revisão dos dados aconteceu depois que o Brasil entrou em recessão no primeiro semestre, com forte retração nos investimentos e na indústria e às vésperas das eleições presidenciais.

O FMI vê recuperação moderada da atividade em 2015 "conforme as incertezas políticas que cercam as eleições presidenciais deste ano se dissipam". Concorrem ao cargo a atual presidente Dilma Rousseff (PT) e o candidato do PSDB, Aécio Neves, que foram para o segundo turno.

As projeções do organismo internacional são um pouco mais otimistas do que as de economistas consultados em pesquisa Focus do Banco Central, que veem expansão de 0,24% do PIB neste ano, e de 1% em 2015.

O FMI também cortou suas contas sobre a expansão das economias emergentes neste ano e no próximo, a 4,4% e 5%, respectivamente. Até então, via crescimento de 4,6% e 5,2%.

Para a economia global, as contas também foram mais pessimistas, com o FMI vendo expansão de 3,3% neste ano e 3,8% no próximo. Em julho, esperava crescimento econômico de 3,4% e 4%, respectivamente.

Mais inflação

O FMI também piorou suas contas para a inflação neste ano e no próximo, destacando restrições da demanda e pressão reprimida dos preços administrados que a mantém perto do teto da meta do governo --de 4,5 por cento pelo IPCA, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos.

Agora o FMI projeta a inflação ao consumidor em 6,3% em 2014 e em 5,9% em 2015, contra 5,9% e 5,5% respectivamente no relatório anterior.

Em meio a esse cenário, o FMI piorou suas estimativas para a taxa de desemprego no Brasil em 2015, passando a 6,1%, frente a 5,8% esperados até então. Para este ano, a mudança foi mais sutil, com leve baixa de 0,1 ponto percentual nas contas, a 5,5%.

O FMI projetou ainda que o déficit em conta corrente do Brasil ficará em 3,5% do PIB neste ano e em 3,6% no próximo, com pouca diferença entre, respectivamente, déficits de 3,6% e de 3,7% projetados anteriormente.

http://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?tl=1&id=1504486&tit=FMI-ve-Brasil-crescendo-menos-em-2014-e-2015-com-mais-inflacao