Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 22/10/2014 09:59

Setembro encerrou com menos cheques sem fundos

São Paulo - O porcentual de cheques devolvidos pela segunda vez caiu em setembro para 1,84%, ante 2,02% em agosto, mas teve leve aumento na comparação com setembro do ano passado (1,81%)

São Paulo - O porcentual de cheques devolvidos pela segunda vez caiu em setembro para 1,84%, ante 2,02% em agosto, mas teve leve aumento na comparação com setembro do ano passado (1,81%), mostra o Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos divulgado ontem. Com o resultado, o porcentual de cheques sem fundos no acumulado do ano até setembro ficou em 2,07%, acima dos 2,02% registrados no mesmo período do ano passado. 

De acordo com o indicador, no nono mês do ano foram compensados 64.740.913 cheques, dos quais 1.188.592 foram devolvidos por falta de fundos. Com isso, no acumulado do ano até o mês passado já são 11.709.303 cheques devolvidos, do total de 565.780.133 compensados. Entre as regiões do Brasil, o Norte é o que concentra o maior porcentual de cheques devolvidos (4,32%), seguido pelo Nordeste (4,27%), Centro-Oeste (3,06%), Sul (2,09%) e Sudeste (1,57%). 

Entre as unidades da Federação, Roraima liderou o ranking estadual dos cheques sem fundos nos primeiros nove meses de 2014, com 11,57% de devoluções. Em seguida, aparecem Amapá (10,83%), Sergipe (9,94%), Piauí (9,77%) e Maranhão (8,42%). Os menores porcentuais, abaixo da média brasileira de 2,07% no acumulado do ano, foram registrados em Minas Gerais (1,98%), Mato Grosso do Sul (1,68%), Rio de Janeiro (1,49%), São Paulo (1,41%) e Amazonas, que teve o menor porcentual nacional: 1,13%. 

Economistas da Serasa Experian avaliam, em nota, que a inadimplência com cheques está maior neste ano na comparação com o mesmo período de 2013 em razão do que chamam de "agravamento conjuntural": inflação elevada, juros altos e estagnação econômica. Já a queda em relação a agosto, segundo os analistas, é "tipicamente sazonal", reflexo do Dia dos Pais, data comemorativa que tende a produzir inadimplência mais alta naquele mês. 

 

 http://www.folhaweb.com.br/?id_folha=2-1--2498-20141022&tit=setembro+encerrou+com+menos+cheques+sem+fundos