Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 27/10/2014 11:14

Mercado prevê nova manutenção dos juros em 11% ao ano nesta semana

Copom se reúne nesta terça e quarta-feiras para definir juro básico do país. Expectativa dos analistas dos bancos para PIB e inflação não se alteraram.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central deve manter, pela quarta reunião consecutiva, os juros básicos da economia brasileira inalterados em 11% ao ano nesta semana, segundo a expectativa da maior parte dos analistas dos bancos, informou o próprio BC nesta segunda-feira (27), com base em pesquisa com mais de 100 instituições financeiras. A reunião do Copom termina na próxima quarta-feira (29), após as 18h.

Selic em 11% - 3/9/2014 - matéria (Foto: G1)

Deste modo, os economistas acreditam que os juros básicos da economia brasileira permanecerão no maior patamar desde o fim de 2011. Pelo sistema de metas de inflação vigente na economia brasileira, o BC tem de calibrar os juros para atingir objetivos pré-determinados. Para 2014, 2015 e 2016, a meta central de inflação é de 4,5%, mas o IPCA, que serve de referência para o sistema brasileiro, pode oscilar entre 2,5% e 6,5% sem que a meta seja formalmente descumprida.

Atualmente, a economia brasileira se ressente de baixo crescimento e inflação mais elevada. Em doze meses até setembro, o IPCA, a inflação oficial do país, somou 6,75% – valor acima do teto de 6,5%. A meta, porém, vale somente para anos fechados. Segundo a pesquisa do BC, realizada na semana passada, a previsão dos analistas do mercado financeiro é de que o IPCA some 6,45% neste ano e 6,30% em 2015. As previsões são as mesmas da semana anterior.

Produto Interno Bruto
Para o Produto Interno Bruto (PIB), os economistas mantiveram, na semana passada, a estimativa de uma alta de 0,27% para este ano – a menor desde 2009, se confirmada – e de 1% para 2015.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços feitos em território brasileiro, independentemente da nacionalidade de quem os produz, e serve para medir o crescimento da economia.

No fim de agosto, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a economia brasileira teve retração de 0,6% no segundo trimestre deste ano e que estaria em "recessão técnica", que se caracteriza por dois trimestres seguidos de PIB negativo.

A prévia do PIB de julho e agosto, divulgados pelo próprio Banco Central, indicam, porém, que aeconomia brasileira pode estar se recuperando no terceiro trimestre deste ano.

Câmbio, balança comercial e investimentos estrangeiros
Nesta edição do relatório Focus, a projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2014 permaneceu em R$ 2,40 por dólar. Para o término de 2015, a previsão dos analistas para a taxa de câmbio ficou estável em R$ 2,50 por dólar.

A projeção para o superávit da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações) em 2014 caiu de US$ 2,29 bilhões para R$ 2,10 bilhões na semana passada. Para 2015, a previsão de superávit comercial recuou de US$ 7,65 bilhões para US$ 7,21 bilhões.

Para este ano, a projeção de entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil permaneceu em US$ 60 bilhões. Para 2015, a estimativa dos analistas para o aporte continuou também em US$ 60 bilhões.

http://g1.globo.com/economia/mercados/noticia/2014/10/mercado-preve-nova-manutencao-dos-juros-em-11-ao-ano-nesta-semana.html