Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 06/11/2014 09:17

Renda extra é oportunidade para renegociar débitos

Chegada do 13º salário e feirões on-line são oportunidades para se livrar das dívidas

O mapa da inadimplência, divulgado esta semana pela Serasa Experian, mostra que um em cada quatro brasileiros (24,5%) possui dívida vencida superior a R$ 200. Isso equivale a 35 milhões de brasileiros, de acordo com o estudo. A região que concentra mais devedores é a Norte (31,1%), seguida da Centro-Oeste (26,4%). O Sudeste aparece com 24,5%, enquanto o Nordeste tem 23,6% e o Sul, 22,4%. A Serasa considerou apenas dívidas atrasadas há mais de 90 dias. 

Com foco na renegociação das dívidas, tanto Serasa quanto Boa Vista SCPC estão realizando feirões que reúnem empresas credoras e consumidores endividados. O fim de ano é o período ideal para pensar nessa renegociação, já que os trabalhadores contam com rendas extras, como o 13º salário. As duas entidades oferecem a possibilidade de renegociação pela internet, com a participação de empresas do setor financeiro, comercial, de telefonia, entre outras. 

O diretor de marketing e sustentabilidade da Boa Vista SCPC, Fernando Cosenza, diz que o consumidor precisa ter em mãos apenas dados pessoais para iniciar a renegociação. Na opinião dele, o quadro de inadimplência no País tem melhorado nos últimos anos, com os brasileiros mais conscientes dos limites de crédito. Os consumidores interessados em participar dos feirões on-line podem acessar os sites www.serasaconsumidor.com.br e www.acertandosuascontas.com.br. 

O consultor Maicon Putti diz que todo o recurso extra de fim de ano deve ser utilizado para quitar dívidas. "Entre consumir, viajar e manter o nome limpo e um bom crédito na praça, a opção dois é a ideal para uma família", orienta. De acordo com ele, o primeiro passo é conhecer o orçamento familiar, identificar as dívidas e começar quitando as de curto prazo e maior taxa de juros. Para conhecer essas taxas, ele recomenda orientação profissional, inclusive do Procon. 

Descontrole
Doze cartões de crédito com limites estourados, uma dívida de mais de R$ 60 mil com o banco e o fim do casamento em função da falência foi a situação enfrentada por um economista de 55 anos, que preferiu não ter o nome revelado, em 2003. O gasto excessivo com compras, refeições fora de casa, e outras extravagâncias são apontados como causadores da dívida. Segundo o economista, a solução veio quando ele passou a frequentar o grupo Devedores Anônimos (D.A.), em Londrina. 

"Eu passei sufoco mesmo, de chorar e rolar na cama pedindo resposta a Deus", relembra. No grupo, ele se reencontrou com a profissão e passou a aplicar conceitos econômicos que o ajudaram a sair da situação crítica. Na época, a dívida mensal era três vezes maior que seu salário de servidor público. 

"Eu me lembrei do conceito da receita marginal e expliquei para as pessoas do grupo que elas tinham talentos pessoais, que podiam trabalhar para terceiros e ganhar uma renda extra", revela. Foi o que ele próprio começou a fazer. Trabalhando mais, começou a guardar o extra para abater a dívida, que foi incluída no orçamento mensal. 

Uma renegociação também colaborou. Um banco do qual não era correntista fez uma oferta para a compra de sua dívida, oferecendo R$ 3 mil. Assim, o banco original se viu obrigado a fazer uma contraproposta e depositou R$ 9 mil em sua conta. Segundo o economista, a partir dessa quantia a situação começou a se desenrolar com mais tranquilidade e os tempos de gastança acabaram. (Com agências)

http://www.folhaweb.com.br/?id_folha=2-1--594-20141106&tit=renda+extra+e+oportunidade+para+renegociar+debitos