Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 22/01/2015 09:35

Maioria considera pechinchar mais importante para o bolso que poupar

69% dizem ter dificuldades de organização das finanças.

Fazer pesquisa de preços antes das compras, pechinchar em busca de descontos e juntar dinheiro para compras à vista são as atitudes consideradas mais importantes para manter as contas pessoais no azul na opinião dos consumidores, segundo pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e pelo portal de educação financeira "Meu Bolso Feliz". Esses itens ficaram atrás de outros como evitar gastos desnecessários, fazer um controle do orçamento e poupar mensalmente parte dos rendimentos.

Os pesquisadores pediram para 662 consumidores classificarem de 0 a 10 a importância de determinadas atitudes para manter o orçamento em ordem. Fazer pesquisas de preço antes das compras teve a nota mais alta, com 8,6. As atitutes de pechinchar e de preferir compras à vista ficaram empatadas na segunda colocação, com 7,8 pontos.

Medidas consideradas mais importantes pelos economistas tiveram pontuações menores. O item "anotar os gastos para controlar as despesas" ficou com nota 7, a mesma de "economizar todos os meses para aplicar em uma poupança ou investimentos".

Controle de gastos e contas que não fecham
Segundo o estudo, quatro em cada dez consumidores, ou 37%, não se consideram pessoas organizadas financeiramente. Entre os entrevistados, 69% admitem ter dificuldade para fazer o controle de suas contas, pontuando entradas e saídas. Apenas 16% dos entrevistados reconhecem fazer o registro das informações diariamente

"A pesquisa comprova que a administração eficiente do orçamento pessoal não é muito usual entre os brasileiros. Há uma parcela significativa de entrevistados que não faz um controle sistemático de seus rendimentos", diz a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

O levantamento aponta que 17% dos consumidores chegam ao fim do mês no vermelho. Para situações em que os gastos superam os ganhos, a saída mais comum para os consumidores, representando 19% dos casos, é recorrer ao limite do cartão de crédito. Entre as pessoas que usam desse recurso, 39% afirmam que fazem isso todos os meses.

Outras saídas mais apontadas para situações em que as contas não fecham estão pedir dinheiro emprestado para amigos ou familiares (citada por 17% dos entrevistados), utilizar o limite do cheque especial (13%), fazer empréstimos junto a bancos e financeiras (13%) e gastar parte das reservas financeiras que possui (10%).

“O uso do crédito para complementar a renda mensal é uma atitude muito arriscada porque faz o consumidor gastar um dinheiro que ele não possui ”, alerta o educador financeiro José Vignoli.

http://g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2015/01/maioria-considera-pechinchar-mais-importante-para-o-bolso-que-poupar.html