Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 04/03/2015 09:54

Mesmo com possível recessão, juros devem subir ao maior nível em 6 anos

Reunião do Copom sobre a taxa de juros termina na noite desta quarta-feira. Tarifas públicas e dólar em alto seguem pressionando inflação neste ano.

selic (Foto: G1)

A possibilidade de o país entrar em recessão neste ano não deve impedir o Banco Central de continuar subindo os juros. A decisão sobre a taxa básica da economia brasileira será anunciada pela instituição na noite desta quarta-feira (4), após o término da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC).

A aposta da maior parte do mercado financeiro é de um novo aumento de 0,5 ponto percentual, o que elevaria a taxa Selic de 12,25% para 12,75% ao ano – o maior patamar desde janeiro de 2009, quando estava em 13,75% ao ano, ou seja, em seis anos.

Se confirmado, será o quarto aumento consecutivo nos juros básicos da economia, que estão avançando ininterruptamente desde outubro do ano passado. Com taxas mais altas, o Banco Central tenta controlar o crédito e o consumo e, assim, segurar a inflação. Por outro lado, ao tornar o crédito e o investimento mais caros, os juros elevados prejudicam o crescimento da economia.

Possível recessão
Os economistas do mercado financeiro têm intensificado a aposta de que a economia brasileira poderá entrar novamente em recessão neste ano, a exemplo do ocorrido em 2014, quando a economia "encolheu" no 1º e 2º trimestres. A chamada recessão técnica se caracteriza por dois trimestres seguidos de contração do Produto Interno Bruto (PIB).

A expectativa da maior parte do mercado financeiro, realizada na semana passada pelo BC com mais de 100 analistas de bancos, é de que a economia brasileira tenha registrado crescimento zero em 2014 e que tenha retração de 0,58% em 2015 – o que seria a maior queda em 25 anos.

Os analistas avaliam que, embora as medidas econômicas anunciadas recentemente pelo governo sejam importantes para reequilibrar as contas públicas (após déficit inédito em 2014) e possibilitar um cenário de controle da inflação no futuro, com taxas de juros mais baixas, elas terão impacto de reduzir ainda mais o nível de atividade neste ano.

Entre as medidas anunciadas, estão aumento dos tributos sobre a gasolina e o diesel, sobreoperações de crédito, cosméticos, automóveis e sobre a folha de pagamentos, além de limitação de benefícios sociais, como seguro-desemprego e abono salarial, e redução de gastos de custeio e do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e com a Conta de Desenvolvimento Energético – o que resultará em um alta maior da energia elétrica.

O economista da NGO Corretora, Sidnei Moura Nehme, avaliou que o quadro econômico é "extremamente complexo". Em sua visão, não é possível concluir, até o momento, que as medidas possam "efetivamente ser contributivas à recuperação do país, já que os efeitos colaterais podem causar mais inflação, desemprego, perda de renda e consumo, conduzindo o país à recessão".

Ministro da Fazenda
Questionado, na semana passada, se as medidas não poderiam contribuir para jogar a economia brasileira na recessão, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou que a economia não vinha "desempenhando bem" com as medidas anteriores – de estímulo.

"Boa parte do que está sendo feito é voltar à uma normalidade. Voltar aos gastos de 2013, diminuir as desonerações que foram crescendo, crescendo não se sabe muito bem porque. Estamos voltando à condições normais para retomar o crescimento em bases sustentáveis", disse ele na ocasião.

Inflação não dá trégua
Ao mesmo tempo em que o país flerta com a recessão, o comportamento dos preços não dá trégua para os consumidores. Segundo analistas, a alta do dólar e dos preços administrados (como telefonia, água, energia, combustíveis e tarifas de ônibus, entre outros) pressionam fortemente os preços em 2015.

Em janeiro, a inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), somou ficou em 1,24%. Essa foi a taxa mensal mais alta desde fevereiro de 2003, quando ficou em 1,57%. Em 12 meses até janeiro, o indicador acumula alta de 7,14% – a maior desde setembro de 2011, quando o índice atingiu 7,31%.

Para todo este ano, a expectativa dos economistas do mercado financeiro para o IPCA está 7,47%. Se confirmada, a taxa será a maior desde 2004, quando ficou em 7,6% – ou seja, em 11 anos.

Com isso, a estimativa do mercado segue acima do teto do sistema de metas do governo. A meta central de inflação para este ano e para 2016 é de 4,5%, com tolerância de dois pontos para mais ou para menos. O teto do sistema de metas, portanto, é de 6,5%. Em 2014, a inflação ficou em 6,41%, o maior valor desde 2011.

De acordo com o professor de economia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Pedro Raffy Vartanian, o cenário atual é um dos mais desafiadores para a política econômica, pois combina ausência de crescimento com inflação em alta, que os economistas chamam de “estagflação”.

Segundo o professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV/EESP), Clemens Nunes, a alta do dólar, que chegou a atingir R$ 2,90 nesta terça-feira (3), e dos preços administrados preocupa.

“A depreciação do real acelerou-se desde a última reunião [do Copom em janeiro]. Além disso, o Banco Central pode reduzir sua intervenção no mercado de câmbio acelerando este processo. Outra razão para o aumento da Selic é que o BC deve combater os efeitos secundários dos choques de preços de hortifrutigranjeiros, bem como do aumento de combustíveis e energia elétrica. Uma vez que estes não foram dissipados”, avaliou Nunes.

http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/03/mesmo-com-possivel-recessao-juros-devem-subir-ao-maior-nivel-em-6-anos.html