Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 25/06/2015 10:47

Revisão do Simples Nacional pretende suavizar tranco do crescimento

Peso da cobrança de tributos para empresa que atinge limites atuais de faturamento freia desenvolvimento e estimula informalidade

Definição de novas faixas de faturamento para enquadrar empresas no Simples vai beneficiar empresários como Marco Antônio Setim. | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Definição de novas faixas de faturamento para enquadrar empresas no Simples vai beneficiar empresários como Marco Antônio Setim.

Cerca de R$ 2 mil a mais no faturamento do ano passado bastaram para tirar a empresa de Marco Antônio Setim do enquadramento do Simples Nacional e colocá-la no regime de Lucro Presumido. Para dar conta da nova carga tributária, inchada por reajustes de impostos locais, Setim recorreu às reservas financeiras de que dispunha e afinou a gestão do negócio: diminuiu o quadro de funcionários, adiou investimentos e reduziu a margem de lucro para honrar as obrigações fiscais. “Estou pagando o dobro em impostos do que pagava no ano passado. Se não voltar para o Simples, a situação vai ficar muito complicada”, diz. Setim é dono do Colégio Milenium, em atividade há 19 anos em São José dos Pinhais, na Grande Curitiba, com 1,2 alunos e 160 funcionários.

O empresário paranaense é um dos que aguardam a tramitação do Projeto de Lei Complementar (PLP) 448/14, que prevê novas tabelas e faixas de faturamento para classificar as micros e pequenas empresas brasileiras. Formatada com base em um estudo da FGV e entidades de apoio ao meio empresarial, a proposta dobra os atuais limites de receita bruta anual que garantem o enquadramento no Simples, além de criar duas faixas de transição, dando mais fôlego para o empresário estabelecer o crescimento sem sacrificar o futuro do negócio.

“Os saltos na carga tributária entre os regimes dão um tranco no desenvolvimento da empresa. A ideia é trocar a escada por uma rampa de acesso e permitir que o empresário cresça sem susto ou risco de morte súbita”, aponta o ministro da pasta da Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República, Guilherme Afif Domingos.

Hoje, o Simples Nacional tem sete tabelas de alíquotas diferentes, entre 4% e 22,45%, de acordo com a classificação da natureza da atividade nas 20 faixas de faturamento anual.

O projeto mantém apenas sete níveis de receita bruta por ano, elevando ao dobro os limites atuais dos microempreendedores individuais (MEIs), de R$ 60 mil para R$ 120 mil; das microempresas, de R$ 360 mil para R$ 900 mil; e das pequenas empresas, de R$ 3,6 milhões para R$ 7,2 milhões, abrindo duas faixas transitórias até R$ 14,4 milhões.

Cobrança progressiva

As tabelas das alíquotas também seriam reduzidas para quatro. A proposta é adotar a cobrança progressiva, semelhante à que é feita na tabela do Imposto de Renda de Pessoa Física, em que os descontos são aplicados sobre o excedente dos limites. Além de escalonar a tributação, a empresa que superar a barreira do faturamento ainda teria dois anos de prazo dentro do regime do Simples.

Sem a janela de transição, muitos empresários recorrem a alternativas para mascarar o crescimento e escapar de enquadramentos que ainda não têm condições de bancar. “Abre-se empresas nos nomes de sogra e parentes, o que acaba diluindo a arrecadação e promovendo um desenvolvimento lateral”, observa o ministro.

Projeto amplia regime para outras atividades

Além da discussão das alíquotas e faixas de faturamento, o Projeto de Lei Complementar 448/14 propõe a universalização do regime tributário. A ideia é estabelecer a cobrança simplificada apenas pela receita bruta, sem distinção de atividades, como ocorre hoje. “É uma forma de ampliar o acesso ao modelo e equalizar as oportunidades de crescimento”, observa o presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.

A contabilidade empresarial é complexa, exige habilidade para acompanhar as obrigações fiscais e evitar impactos financeiros por causa da carga tributária. Crescer, para o empresário brasileiro, significa também andar de mãos dadas com a burocracia. Ao superar a barreira do faturamento da MEI, por exemplo, hoje em R$ 60 mil por ano, o empreendedor precisa refazer toda a papelada da formalização, com registro na Junta Comercial e na administração municipal, pois no sistema tributário o reenquadramento é automático. Há uma tolerância de até 20% do montante, no caso, até R$ 72 mil. Acima desse desempenho, na mudança de regime, pode haver cobrança de multa retroativa pela alíquota mínima do Simples, caso o ajuste da formalização não seja feito. “Outros critérios podem tirar o empreendedor das regras, com a contratação de mais um funcionário. Por isso é fundamental estar atento ao desenvolvimento do negócio”, explica o CEO da Contabilizei, Vitor Flores, especializada em assessoria contábil on-line.

 

http://www.gazetadopovo.com.br/economia/revisao-do-simples-nacional-pretende-suavizar-tranco-do-crescimento-61gdfpy775fa13psdw338dqp6