Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 17/07/2015 09:19

Inadimplência do consumidor fecha primeiro semestre com maior alta desde 2012

O Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor encerrou o primeiro semestre de 2015 com crescimento de 16,4%, na comparação com o mesmo período do ano anterior.

O Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor encerrou o primeiro semestre de 2015 com crescimento de 16,4%, na comparação com o mesmo período do ano anterior. É a maior alta nesta relação desde 2012, quando o índice registrou elevação de 19,1%. Na comparação mensal – junho x maio de 2015 –, o indicador subiu 5,9%. Na interanual – junho de 2015 x junho de 2014 – o indicador também cresceu 23,4%. 

Segundo os economistas da Serasa Experian, o crescimento significativo da inadimplência do consumidor neste primeiro semestre de 2015 pode ser explicado pelas altas da inflação, que corrói o poder de compra dos consumidores, das taxas de juros, que encarecem as dívidas, e do desemprego, que faz o trabalhador perder a sua principal fonte de renda. 

Reprodução
Reprodução


Na decomposição da variação mensal do indicador, a inadimplência não bancária, (junto aos cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como telefonia e fornecimento de energia elétrica, água etc.) foi a principal responsável pela alta do indicador em junho/15, com aumento de 10,2% e contribuição de 4,7 p.p. As dívidas com os bancos e os títulos protestados também subiram 2,5% e 4,7% e contribuíram com 1,1 p.p. e 0,1 p.p., respectivamente, para o crescimento do índice no mês. Já os cheques sem fundos apresentaram queda de 1,1% e contribuíram levemente de forma negativa (-0,1 p.p.) para que o resultado de junho/15 não fosse ainda maior. Veja os dados completos na tabela abaixo:

Sobe o valor médio das dívidas não bancárias 
O valor médio das dívidas não bancárias apresentou alta de 24,6%% no primeiro semestre do ano, na comparação com o mesmo período de 2014. O valor médio dos cheques sem fundos e da inadimplência com os bancos também cresceu 10,9% e 0,9%, respectivamente. Já o valor médio dos títulos protestados registrou queda de 3,3%

 

http://www.bonde.com.br/?id_bonde=1-39--168-20150716&tit=inadimplencia+do+consumidor+fecha+primeiro+semestre+com+maior+alta+desde+2012