Associado
ASERC - Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito

Informativo

Publicado em 30/09/2015 06:01

Endividamento cresce entre consumidores de baixa renda

A retração do consumidor, observada nos indicadores de vendas do varejo, não está sendo suficiente para impedir o endividamento das famílias.

A retração do consumidor, observada nos indicadores de vendas do varejo, não está sendo suficiente para impedir o endividamento das famílias. Pesquisa da Fecomercio SP mostra que a proporção de consumidores endividados subiu de 53,3% em julho para 54,8% em agosto. De acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, a situação se agrava no grupo de menor renda. Na faixa com salário até dez salários mínimos, 58,6% estão endividados. Acima disso, o endividamento atinge 44% da população.
 
As quedas observadas nos meses de junho e julho evidenciam o esforço dos consumidores para contornar a crise, mas o avanço do desemprego levou a nova alta do indicador em agosto, segundo a assessoria da Fecomercio SP.
 
Com a dificuldade para manter o padrão de consumo até mesmo de bens básicos e serviços essenciais, os consumidores de baixa renda estão recorrendo a empréstimos não previstos para tentar equilibrar as contas.
 
O total de famílias endividadas passou de 1,91 milhão em julho para 1,97 milhão em agosto, em números absolutos. Já em relação ao mesmo período de 2014, quando o total era de 1,77 milhão, houve um aumento de 193 mil famílias na categoria de endividados.
 
Entre as famílias endividadas, 5,8% acreditam que não terão condições de pagar total ou parcialmente as contas em setembro. Na faixa de renda até dez salários mínimos, o percentual é maior: 8,6%.
 
Pouco mais da metade do total de endividados (50,1%) tem entre 11% a 50% dos ganhos comprometidos com o pagamento de dívidas. Para 22,6% dos consumidores, o comprometimento é menor que 10%, enquanto para 24,1% as dívidas superam 50% da renda total.
 
A pesquisa mostra que 15,3% das famílias possuem contas em atraso, contra 14,5% em julho. O número de famílias inadimplentes subiu de 521 mil para 547 mil. A inadimplência na faixa abaixo de dez mínimos passou de 18,2% em julho para 19,2% em agosto. Na faixa superior, o atraso nos pagamentos ficou estável em 5,9%.
 
 
http://aserc.org.br/endividamento-cresce-entre-consumidores-de-baixa-renda